Entrevista: Amelia para Hunger TV (2012)

MANTENHA-SE EM MOVIMENTO

Desde o seu cover de The Smiths da música “Please, Please , Please Let Me Get What I Want”  trilha sonora da Campanha Natalina de John Lewis (Morrissey descreveu como “delicioso”) , os suaves tons de Amelia Warner tem sido difíceis de segurar. Sob o apelido Slow Moving Millie, no ano passado, a nascida em Liverpool de 29 anos de idade, lançou um álbum de sucessos dos anos 80 , chamado ‘Renditions’. De Bananarama para Yazoo , Amelia trouxe de volta músicas reimaginadas como baladas melancólicas . Ela está atualmente trabalhando em um novo álbum , que revela um pouco mais de sua própria composição e narrativas de Rufus Wainwright, através dos filmes de Tim Burton e trilhas sonoras de filmes orquestrais – um aceno para a encarnação anterior de Amelia como atriz. Ela construiu uma carreira de sucesso com papéis em Lorna Doone , Mansfield Park , o drama super sensual Quills e o thriller de ficção científica Aeon Flux, mas falou abertamente sobre sua luta para estabelecer sua identidade criativa como atriz. Atualmente, ela dedica seu tempo à música. The Hunger falou com Amelia sobre o lançamento de seu álbum.

HUNGER TV: Foi difícil fazer a transição de atriz para uma musicista em tempo integral?

Amelia Warner: Em termos de como eu me sentia, não. Escrever e cantar eram duas coisas que eu sempre fiz, mas em termos de mudar de emprego? É uma transição difícil para qualquer um, em qualquer campo e eu passei por um período de me sentir estranha e preocupada com o que as pessoas iriam pensar.

HT: Então, houve um pouco de medo.

AW: Exatamente. Especialmente quando você está conseguindo fazer uma boa vida e você está confortável fazendo o que está fazendo, mas isso não está se cumprindo da maneira que você esperava.

HT: Você teve muito sucesso fazendo covers dos anos 80. O que há sobre este período de música que particularmente agradou você?

AW: Composições dos anos 80 são muitas vezes esquecidas. Foi uma década de produção: havia um monte de brinquedos novos, sintetizadores, sinos e flautas. Por isso, foi fácil dispensar a música como um prazer culpado bobo. Mas as pessoas esqueceram quanta paixão havia naquela década. A Grã-Bretanha estava passando por um momento louco e, depois de cavar através de todas as brilhantes, incríveis produções pop, você pode ver um monte daquele tumulto na música.

 

“Esse senso exclusivo de responsabilidade é emocionante, mas também é completamente aterrorizante.”

 

HT: O arranjo é muitas vezes bastante simples: apenas você e um piano. Você estabeleceu que queria ‘deixar mais suaves’ as músicas?

AW: Eu sempre tento voltar com as músicas leves, tanto quanto possível – esse é quase o objetivo do projeto: pegar essas músicas e perguntar: ‘Será que eles vão trabalhar apenas comigo e um piano?’ Nós reinventamos, mas de uma forma diferente , uma forma mais tradicional, com instrumentação real ao invés de sintetizadores e MIDI (Musical Instrument Digital Interface – permite uma grande variedade de instrumentos musicais eletrônicos). Isso tende a deixar mais do meu próprio jeito,  o que realmente estou tentando simplificar. É da minha natureza querer adicionar mais e mais, e construir e construir. Eu amo música que faz isso, mas eu também acho que há algo realmente especial sobre a música que é aparada; é um bom teste para saber se algo realmente funciona.

HT: Quem lhe informou sobre o seu estilo vocal?

AWEu não sei. Eu realmente nunca pensei em mim como uma cantora. Eu estava escrevendo músicas e percebi que alguém tinha que cantá-las para que elas fossem ouvidas.

HT: Então cantar não era algo que você sempre sonhou fazer?

AW: Cantar, não, não realmente, mas a música sempre foi muito importante para mim e escrever é algo que eu sempre fiz, mesmo quando eu estava atuando. A ideia de perseguir uma carreira na música não me ocorreu até muito mais tarde. Eu comecei a atuar quando eu era muito jovem, por isso não foi necessariamente uma decisão que tomei. Então, de repente, depois de cinco anos, eu pensei, ‘Ah, eu sou uma atriz! “, o que foi bem estranho.

HT: E quando você fala sobre escrever você está se referindo a ser uma compositora?

AW: Bem, eu sempre escrevi letras e tinha cadernos que estavam ocupados com as coisas que eu não necessariamente penso como letras no momento, mas eu também toco piano desde que eu era pequena. Criar melodias e reuni-las com palavras é algo que eu sempre fiz.

 

>> PHOTOSHOOTS  DA ‘THE HUNGER MAGAZINE’:

 

 

Vídeo dos bastidores da entrevista :

 

Fonte

Advertisements

Entrevista: Amelia para Stoked PR (2011)

Conheça Slow Moving Millie. Ela vai te proteger das garras encapuzadas. Tem dentes pontudos expostos querendo seu pescoço. É dolorosamente viciada em te amar, não pode viver sem você, nunca vai deixar você ir, não vá. Noites foram gastas rondando Galerias e vagando por pubs, sendo inspiradas por retratos de Ricardo II e sinais ocultos. Viciada em andar por Gastown, ela deixou Morrissey satisfeito o suficiente para permitir seu cover de ‘Please, Please, Please Let Me Get What I Want’ ser trilha sonora de um comercial de TV natalino.

Conheça Amelia Warner. Ela é uma escritora de belas palavras líricas. Uma boa pianista. Uma mulher com uma voz morna. Uma jovem nascida nos anos 80 que apenas gravou um mini-álbum inventivo de covers antigos (com a mesma faixa ‘Don’t Go’, aquele pop barroco grudento esquecido do Yazoo? Sim!). Uma mulher de mil e uma utilidades que este ano, tem também quatro curtas-metragens marcados. Gravou um EP de quatro faixas e começou a escrever o seu primeiro álbum de estúdio. E indo por seu nome artístico Slow Moving Millie , ela é uma artista estreante que tem um sucesso modesto em suas mãos quando o anúncio festivo de John Lewis – com sua versão assombrosa do B-side de The Smiths – estreou na televisão durante o The X Factor, em meados de novembro.

Sim, ela está ocupada, e tem uma vida plenamente vivida atrás dela. Não, ela não é uma atriz que virou cantora, mesmo ela aparecendo em uma variedade de filmes. Ela é uma musicista que foi distraída por atuar quando era uma colegial em Herefordshire. Amelia foi vista em um “jogo”, e logo em seguida foi apresentada a um agente, e antes que ela soubesse, tinha papéis na TV e um personagem no filme Quills.

“Duvido muito que se eu não tivesse tido essa oportunidade quando eu tinha 16, 17, eu teria entrado em ação,” ela reflete. “Eu não tinha planos de ir para a escola de teatro, mesmo. Mas não estou reclamando – foi algo incrível de se fazer e pode ser uma carreira brilhante. Mas há tanta coisa  que é negativa sobre isso também. Se você está constantemente sendo rejeitado e suportando várias coisas horríveis em situações terríveis e você não está pensando ‘Oh, pois bem! Eu vou agir!’ pode ser difícil. Você tem que ser totalmente integro. Você tem que ter sua paixão. Isso é o que pode te confortar. Mas eu não tive isso. Para mim era mais como, ‘Bem, se conseguir isso, eu vou para a Costa Rica!’  “Eu estava fazendo isso pelas razões erradas.” ela admite com franqueza típica.

Amelia Warner entrou na indústria da música através da porta do lado criativo. Estando presente musicalmente em um par de anúncios, ela assinou um contrato exclusivo com a Universal, através do qual o rótulo combinaria com suas habilidades musicais com comerciais e filmes. “Eu estava mais para ser uma compositora,” admite este escritora com um forte senso visual e uma paixão pela composição narrative-driven (histórias boas e realistas). As ofertas vieram rapidamente: nos últimos meses a Warner marcou presença em quatro curtas-metragens: The Other Side, Mam, Nocturne e Olga.

Esse acordo, assinado no início deste ano, logo foi ultrapassado pelos acontecimentos e excitação com as habilidades de Warner como cantora e compositora. A gravadora Island agarrou a oportunidade de assinar um contrato com Amelia para um negócio de artista completo.

Com a atuação salva no passado, a criatividade da Warner foi imparável. As canções jorravam, muitas delas – como era de se esperar de uma mulher influenciada por Tom Waits, Cat Power and Sigur Rós – eram imagens vívidas de pinturas, cenas e histórias. Inspirações também vieram de Gastown , situada em um bairro de Vancouver, que leva a uma passagem esboçada e com efeitos viciantes (Blood Alley), com violinos e metais salpicados como fábulas de conto de fadas. Há uma balada de piano barroca chamada’ Scary Daughter’ (filha assustadora), que conta a história de um fim de semana infeliz com seu pai distante – Warner imagina que o pai temeroso dela a vê como tendo dentes afiados prontos para rasgar sua garganta. E há a maravilhosamente espectral ‘Hart With A Crown + Chain’,  resultado de suas imagens de uma visita à Galeria Nacional e o sinal de que usou esses elementos – que compreendem a crista de Ricardo II – está pendurado do lado de fora de um pub.

Os anos oitenta, que já está ultrapassado, foi um bom lugar para ela começar a sua carreira de gravações. Um amor profundo pelas canções de sua infância recentemente floresceu em algo maior, mais rico, mais profundo. Depois ela se juntou com o produtor Charlie Hugall (o mesmo de Florence + The Machine e Ed Sheeran), e o entusiasmo de Warner para transformar covers em seu próprio trabalho se transformou em um projeto paralelo com asas.

“Acho que o que separa o  pop dos anos oitenta com o pop de agora é que no antigo era tudo tão triste!”, exclama ela. “As letras são muito escuras, mas em seguida se amarram nestes assaltos maníacos da melodia e som. A produção é tão grande e tão ocupante. Mas no fundo são músicas realmente muito comoventes, e é tudo sobre ter seu coração partido.”

Assim, sobre o mini-álbum de oito canções – intitulado Renditions – ‘Don’t Go’ de Yazoo obtém o que poderíamos chamar de um angustiado animador; Warner percebeu que tentar emular o vocal incomparável de Alison Moyet , seria uma grande tolice “Então você tem que ir por outro caminho. Minha versão é muito frágil, pequena, macia, sussurrante, quase feita da maneira que a valsa russa. ” Sua inclinação para a faixa ‘Wonderful Life’, do Black, é mais fiel “Nós temos sequências de violino e pizzicato, mas não é loucamente diferente da original.”


Do lado mais obscuro da década de oitenta vem ‘Feels Like Heaven’  de Fiction Factory, ‘feita com uma real sensação de celebração’. E ai então vem a recorde de vendas, eternamente número das paradas de sucesso, ‘The Power Of Love’. Não, não é a balada poderosa de  Jennifer Rush, e sim a “corta alegrias” de Frankie Goes To Hollywood. “É tão maluca aquela música” ela sorri. “É apenas a balada do final dos anos oitenta. E a produção nela é tão enorme e massiva, foi interessante tentar minar isso. As pessoas podem ficar confusas com todo aquele ‘garras encapuzadas’ nas letras, mas eu a amo e queria fazer justiça a ela.”

 

Seu cover de The Smiths, enquanto isso, superou dezenas de apresentações de outros artistas na trilha sonora festiva do “evento” comercial de John Lewis. “Mais uma vez, a minha versão de Please, Please, Please é realmente simples – apesar de eu ter adicionado uma seção de descaramento gentil.”

 

Por favor, por favor, por favor, deixe-a conseguir o que quer: enquanto estamos aqui, para constar, Amelia Warner gostaria de esclarecer rumores de seu “casamento”. Sim, quando ela tinha 18 anos, a cantora/compositora, moradora de Londres e atriz, meio que se “casou” com Colin Farrell numa praia do Taiti, ainda que fosse feriado e todas as atividades estivessem suspensas. Era casar ou alimentar tubarões. Eles fizeram as duas opções.

 

Mas o que se esconde no passado, e o que há em um nome? Porque ela é chamada de Slow Moving Millie? “Todo mundo me chama de Millie. E há anos que minha mãe e meus amigos – todos que sabiam que eu era louca por música – ficavam dizendo para mim, ‘Por que você não está escrevendo músicas? Por que você é tão lenta?’ E para ser honesta, eu não sei porque demorei tanto tempo para perceber que eu poderia fazer isso como uma coisa real. Nunca pensei que eu fazendo música e pessoas ouvindo seria algo possível.”

Mas isso realmente está acontecendo. Finalmente, Slow Moving Millie está subindo a montanha. Será que esse nome ainda é apropriado? Ela parece bem freneticamente ocupada.

“Possivelmente”, ela sorri. “Já considerei isso. Eu faço as coisas do meu jeito e talvez isso seja um pouco mais lento e complicado. Mas eu prefiro muito mais dessa forma. ”

 

Fonte

Amelia Warner e Jamie Dornan na premiação ‘Irish Film & Television Awards 2014’

No dia 05 de abril ocorreu o Irish Film & Television Awards 2014, importante premiação da TV irlandesa na qual Jamie Dornan foi indicado na categoria “Melhor Ator em Série de Televisão” pelo seu papel de Paul Spector, o serial killer monstruosamente sexy no drama da BBCThe Fall. Jamie também recebeu o prêmio de “Estrela Em Ascensão”. Amelia, claroacompanhou o marido, para a nossa alegria! Confira as fotos abaixo:

>>Red Carpet:

 

>> Dentro da premiação:

Millie se emociona durante discurso de agradecimento de Jamie.

 

>>Foto com fã:

Fanpic

 

Durante o discurso de agradecimento (após receber o Rising Star Award) Jamie  fala sobre a família:

 

“Tem essas pessoas, pessoas tremendamente importantes que eu esqueci de agradecer antes. Eu quero agradecer a minha linda família, por ser realmente linda. Eu quero agradecer a minha esposa Millie, cuja é a melhor coisa que já me aconteceu. Sim, você. Eu quero agradecer a minha filha, que tem 4 meses de idade, e está dormindo lá em cima. Não quero dizer o nome dela, mas ela é linda também.”

PARABÉNS PELOS PRÊMIOS JAMIE!

Fonte 1  Fonte 2

Gallery

CANDIDS: Amelia passeando com a família em Dublin, Irlanda (Imagens em HQ)

This gallery contains 31 photos.

Na manhã de domingo (06), um dia após a premiação Irish Film & Television Awards 2014  (IFTA) que ocorreu no dia 5 de abril , na qual Jamie Dornan recebeu dois prêmios, “Melhor Ator em Série de Televisão” e “Estrela Em Ascensão”, Amelia … Continue reading